terça-feira, 5 de janeiro de 2016

A arte do "não"

Em dado momento da minha vida eu aprendi a ser gente boa. Descobri que a maioria das pessoas reagem bem quando não são contrariadas.
Elas reagem ainda melhor quando são mimadas.
Passei a seguir essa regra à risca e fiz muitos amigos. Alguns estão comigo até hoje.



Mas lembro do dia em que ouvi uma "grosseria" de um amigo de faculdade (Thiago). Ele me disse que não me contrataria para ser atendimento na empresa dele porque eu não sabia dar NÃO.
Depois que me recuperei de um mini-infarto que me veio, retruquei dizendo que sabia, mas lá no fundo eu sabia que ele estava correto.
Fiquei desesperado!



Eu era um "bunda-mole" que fazia tudo o que mandavam, apenas para agradar. É isso estava errado. Muito errado.
Eu me doava/anulava/humilhava/bancava o trouxa para os meus amigos e eles nem diziam obrigado.
Como sou competitivo, tracei uma meta a alcançar e comecei a treinar meus "nãos".
O começo foi tão doloroso! Comecei a acreditar que não tinha nascido para aquela atividade e que era melhor desistir.
Como dizer não para sua mãe, seu crush, seu melhor amigo? Como negar algo para quem você ama?
Pois é. Até Deus diz não pra gente de vez em quando. O melhor foi crescer e amadurecer.
Na boa? Dói até hoje.



Vi alguns amigos irem sem se despedir.
Mas na maior parte das situações que você deveria dizer não e não diz, o principal prejudicado será você mesmo - sem contar que a outra pessoa sempre estará mal acostumada.
Comece hoje a dar não. Vá aos poucos. Sempre que você se sentir violado, rejeite.
Diga não para quem quer levar seus bens. São seus e não daquela pessoa.
Diga não a quem impede que você expresse suas opiniões.
Diga não para quem quer usar seu corpo e não te corresponde nos sentimentos.
Diga não ao amigo que só fala e nunca te ouve.
Diga não pra quem não devolve o dinheiro que pegou emprestado.
Diga não para quem não retribui o favor.
Diga não a tudo o que impede de ser realmente feliz.